Sarna demodécica e Sarna sarcóptica

A Sarna demodécica, também conhecida como Sarna Negra ou Demodiciose, é uma dermatite parasitária de caráter hereditário, causada pelo ácaro Demodex spp, habitante natural da microbiota canina e felina. Este ácaro se transmite normalmente por ocasião da amamentação, pelo contato da pele da mãe com a pele do filhote nos primeiros dias de vida, e a doença só vai se manifestar mais tarde, entre 3 e 18 meses de vida, ou nos animais adultos ou muito idosos, onde normalmente é sinal precedente de alguma doença imunosupressiva. É comum nos cães e rara nos gatos. Todos os animais acometidos devem ser castrados ou afastados da reprodução.

Em nenhuma das formas há transmissão horizontal, isto é, para outros animais ou para o homem, mas apenas vertical, de mãe e/ou pai para filhotes.

O pai participa da etiopatogenia através da transmissão de um fator humoral imunosuressor.

A doença, quando não tratada adequadamente, pode evoluir para quadros em que há acometimento generalizado de toda a pele do animal, com infecção bacteriana secundária.

Há alguns anos a demodiciose era sinônimo de eutanásia. Hoje em dia, há inúmeros tratamentos seguros e eficazes para o seu controle.

A sarna sarcóptica, ou escabiose, é uma doença extremamente pruriginosa (causa muita coceira) e com grandes chances de transmissão para outros animais e homens, por contato direto ou através de fômites (objetos). É muito comum em filhotes e animais provenientes de canis, mas também pode estar presente naqueles que frequentam locais de grande concentração de animais, como pet shops. Com a larga utilização de produtos para prevenir pulgas e carrapatos, muitas vezes o único sintoma que o animal apresenta é o prurido, sem as lesões de pele características da doença (alopecia, descamação e vermelhidão em pontas de orelhas, cotovelos e jarretes).